Recentemente tenho sentido necessidade de escrever sobre outro assunto, diferente de amor. Melhor dizendo; outro tipo de amor. Trata-se de amor-próprio. Tal como habitualmente, hoje, olhei-me ao espelho. Ao observar a imagem reflectida no objecto, relembrei-me do passado. Há uns tempos, o único reflexo era sempre idêntico. Uma cara amargurada; olhos carregados, desgostosos, salientados por olheiras; uma boca infeliz com os seus cantos tombados, descaídos, abatidos. Mas aqui estou eu, recomposta, a esboçar um brando sorriso após duradouros ciclos de mágoa, dor e sofrimento; com um olhar diferente, afortunado e apaixonado. Hoje olho para mim de uma forma bastante diferente, talvez até orgulhosa. Olho em redor e relembro que já ultrapassei enormes barreiras que a vida atravessou no meu percurso. Já ultrapassei tormentos e angústias incalculáveis totalmente só e desamparada. Já passei meses a averiguar terreno minado com pavor de pisar qualquer explosivo e, digo-vos, terminava sempre por tombar nesses solos. Caía de alturas astronómicas, nos locais mais profundos que possam imaginar mas, a verdade é que a minha escalada até à superfície, apesar de demorada, se deu. Levantei-me, não com um sorriso, mas estava novamente erguida. Não vivia, simplesmente marcava presença frequente no mundo, vendo a vida passar-me entre os dedos. Iludia-me, uma e outra vez, até que senti que “apaixonar-me” novamente não resolveria nada, talvez só me levasse novamente às profundezas da dor e da mágoa. Só tinha uma vontade. Fugir. Correr sem nunca parar e afastar-me o mais possível do abraço sufocado do mundo. Mas, reconheci, também, que fugir dos problemas não resultaria e lutei com o mais íntimo de mim para me erguer novamente. Combati contra tudo e contra todos; ergui armas a todos aqueles que se riam das minhas quedas. Tirei-lhes o sorriso sínico da cara e encarei novos rumos para a minha vida que, naquele momento, se tornava cada vez mais supérflua e inútil. Procurei quelhos promissores e novos caminhos. E foi num desses caminhos que se gerou um novo sorriso, um novo olhar, um novo coração, uma nova pessoa. O “eu” que sou agora. Aprendi a viver aos poucos. Se querem saber, não me interessa ser mais ninguém que não eu própria. Por vezes, sinto pena, quando as pessoas não me dão oportunidade de demonstrar o que sou realmente. Tenho pena por as pessoas se deixarem levar por histórias inventadas e julgarem-me por isso. Enfim, já aprendi a viver com isso. Sou complicada, sim. Tenho um feitio peculiar e vincado, não dou tudo de mão beijada, sou desconfiada e vingativa, mas, após o que já me aconteceu, nunca mais deixarei que se aproveitem de mim. Depois de tudo, o mais lógico era não me entregar tão facilmente. Mas, com o passar dos dias, fui-me apercebendo que eu precisava daquele ser e, com um impulso, arrisquei. Agora, contigo do meu lado sinto-me sem qualquer medo, sinto que fui capaz de lutar e conquistar, sinto que fui capaz de roubar sorrisos, de sorrir e de fazer alguém sorrir. Sinto que, se passei por tudo aquilo, sou capaz de passar seja pelo que for, menos pela tua partida. Acredita que nenhuma das pessoas que passou ou passará na minha vida será como tu. No meio de gente é realmente bom encontrar um amigo verdadeiro. Amo-te meu caçador de medos! ♥
parabéns mãe ♥

50 comentários:

  1. as vezes damos demasiada importancia a pessoas que nao merecem, e só nos apercebemos disso bem mais tarde e é ai que olhamos para tras e pensamos o quão parvinhas fomos, nessa altura que nos apercebemos disso, é a altura que a nossa auto-estima dispara lá para cima, onde devia ter estado o tempo todo. Gosta de ti em primeiro lugar, depois vem os outros. beijos

    ResponderEliminar
  2. Sinceramente, já tive mais certezas disso...

    ResponderEliminar
  3. sim é verdade , quando acontecem certas coisas ( e da pior maneira ) nem damos conta da velocidade a que as coisas mudam dentro de nós s: mas se sabemos que um sentimento é verdadeiro e vale realmente a pena , temos que lutar contra isso (':

    ResponderEliminar
  4. nao esta nada de especial querida, apenas a realidade que nao querem ver

    ResponderEliminar
  5. Não está nada de especial :$
    o teu é que está bonito *-*

    ResponderEliminar
  6. eu só espero que sim, acho que não aguento mais :S

    ResponderEliminar
  7. Um dia, talvez, mas por agora não sei, ele foi bastante importante para mim s:

    ResponderEliminar
  8. Eu já nem digo nada, com o passar do tempo tenho vindo a descobrir coisas às quais nunca pensei vir a descobrir sobre ele, desta vez ele vai ter que sair mesmo da minha vida por mais que custe, até porque eu saí da vida dele bastante facilmente (é uma coisa engraçada, o facto dos rapazes esquecerem tão facilmente, enfim)...

    ResponderEliminar
  9. sim, se calhar... Apesar de o querer esquecer...

    ResponderEliminar
  10. Olha eu gostei dele, achei que era muito idêntico ao Sexo sem compromissos, mas apesar de ter um enredo parecido, tem uma história que se desenvolve muito mais e mais comédia ;)

    ResponderEliminar
  11. Mas o que um quer, dois não conseguem. entendes? :s

    ResponderEliminar
  12. obrigada pelo teu comentário. Adorei este texto :)

    ResponderEliminar
  13. obrigada querida, este está simplesmente lindo !

    ResponderEliminar
  14. Muito mas muitooo obrigadooo sofiaaaa *.*

    ResponderEliminar
  15. Sabes, tenho cada vez menos certezas disso...

    ResponderEliminar
  16. Pois, é só mesmo isso. Mas pronto, tudo vai passar, há que ter esperança *

    ResponderEliminar
  17. claro, obrigado mesmo, és uma querida. Adorei o texto :$

    ResponderEliminar
  18. eu sei que não, mas custa na mesma saber que magoei outra pessoa para EU não sofrer :s

    ResponderEliminar
  19. não fugi , mas a resposta apareceu , acho eu !

    ResponderEliminar
  20. Obrigada por seguires :) - tbm gostei muito do teu blog *

    ResponderEliminar
  21. Realmente, começo a esquecer-me disso :)

    ResponderEliminar
  22. Tenho pena que concordes querida, eu não tinha noção da quantidade de pessoas falsas que existiam no mundo.

    ResponderEliminar
  23. Sinceramente, por outro lado, acho que ainda agora este monstro começou a atormentar...

    ResponderEliminar
  24. Duvido, sei bem do que ele é capaz...

    ResponderEliminar

obrigada pela opinião (: